quarta-feira, 25 de setembro de 2013


Cantiga triste

Cantiga triste
De um menestrel desencantado
Pelo amor que se foi
Deixando sua alma alquebrada
E a dor era tanta
Que foi apagando as centelhas
Que a lua espalhava pelas calçadas
Para pintar de purpúreo o crepúsculo
E de prateada, a alvorada
Numa aquarela de alegres cores
Inspirando o poeta
Que, num lirismo afoito
Ia tecendo versos apaixonados
Para cantar nas noites de boemia
Diante da janela de sua amada
Mas ela, coitada
Cansada de dividir o amor do menestrel
Com a lua prateada
Foi embora, perdeu-se na estrada
Deixando ao poeta a tristeza
E versos de uma poesia inacabada
Um vazio no peito
E uma saudade danada.


4 comentários:

MARIO SERGIO ANDRADE disse...

Lindos poemas, seus versos derivam sobre uma superfície lírica que fazem com que nossa alma delire...

Obrigado por tanta beleza...

Estou no Recanto das Letras, se puder ler....
http://www.recantodasletras.com.br/poesiasdeamor/4505342

Inez Resende disse...

Obrigada, Mario Sérgio Andrade, suas palavras encheram o coração dessa aprendiz de poetisa de carinho e de motivação. Que bom que existem pessoas como você que apreciam meus versos. Muito obrigada. Volte a esse blog sempre!

MARIO SERGIO ANDRADE disse...

Poetisa, tentei falar com você algumas vezes... queria conhecer melhor o seu trabalho... bem.. beijo

Inez Resende disse...

Por onde você tentou falar comigo? Você poderá entrar em contato comigo pelo email inezinha_amor@hotmail.com