quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014


















CONFORTE-ME


Envolva-me num abraço
E aplaque minha vontade de chorar
Conforte-me com um dengo
Cante uma canção de ninar
Para que eu adormeça em teu colo
Acreditando que a dor logo vai passar
E ao acordar ouça você dizer
Que o amor de sua vida sou eu
E que não suporta me ver chorar
Que não preciso ter medo
Pois estarás sempre ao meu lado
Principalmente, quando de cuidados eu precisar
Que a procela é passageira
E suave vento a bonança trará
E trará também revoada de borboletas
E colibris a arrulhar
Que entre as brumas do alvorecer estarão
Embalados pelo farfalhar das flores que o frescor da
extinta noite ajudou a orvalhar
Para embelezar os meus dias
E fazer a querela que me fere se apagar
Sobrando apenas as alegrias do nosso idílio
Que os silfos dos ventos espreitam e põem-se a abençoar
Para que me sobrem muitos motivos para sorrir
E mais nenhum para chorar.

( IneZ Resende)

terça-feira, 28 de janeiro de 2014






ACOLHE-ME



Acolhe-me com paciência
Troca meu pranto por um pouco de felicidade
Faz-me sorrir com a galhardia
De quem é amado de verdade.
Acolhe-me
E beije-me com sinceridade
Aconchegue-me com carinho
Deixe seu cheiro inconfundível em meu corpo tatuado
Ah, estou tão cansada!
Dê-me um abraço gostoso
E faça-me descansar em seu mundo encantado
Sob um céu de pirilampos
E de estrelas salpicadas
Confessando que me perder é ver morrer o sol dos seus olhos
E lançar-se a ermo nos braços da saudade
Saudade dos momentos felizes
Vividos na cumplicidade
Das noites luzidias
Vestidas com o brilho da lua prateada
Que do céu, complacente sorria,
E de estrelas bordava a bruma da madrugada
Curando a tristeza que no peito ardia
E fazia minha alma alquebrada
Ressuscitando nossos impávidos momentos
Devolvendo-me o prazer de ser feliz de verdade.

( Inez Resende)



quarta-feira, 22 de janeiro de 2014


ENGANO

Quando a tarde cair
Não quero que o ocaso me traga saudades
Dos crepúsculos florentes
Matizado por filigranas de felicidade
Roubados dos teus olhos
Quando juravas sinceridade
No amor que dizias
Que de tão grande se estenderia dessa vida
até a eternidade
E eu, incauta que fui
Acreditei que tudo era verdade
Até ver o amor na perfídia morrer
Ferido pela lâmina fria da falsidade
Que nas sombras da noite escondias
Para ferir-me com crueldade
Causando um dissabor tamanho
Que minha alma foi encrespando de tanta infelicidade
Desfazendo toda a emoção
Que pensei existir na reciprocidade
Mas agora é outro tempo
A dor é efêmera e serve de aprendizado
E logo todo o sofrimento será esquecido
E as dores de agora serão lembranças a jazer no passado
E nem mesmo o mais belo crepúsculo
De sol rúbido no horizonte debuxado
Conseguirá fazer ressurgir o que não faz mais sentido
E no passado foi enterrado.


( Inez Resende)

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014



SE VOCÊ VIER

"Se você vier
Que seja em noite florente
Banhada por reflexos de prata
E pontilhada por estrelas cadentes.
Ah, se você vier!
Não precisa trazer presentes
Traga apenas um abraço
Um abraço silente
Carregado de saudades
Saudades do idílio da gente
Vivido nos crepúsculos lilases
Açoitados por ventos que se faziam quentes
E aqueciam nossas almas
E nos faziam explodir de contentes.
Ah, se você vier!
Vou ser feliz novamente."

Inez Resende

segunda-feira, 30 de dezembro de 2013





O JANGADEIRO E O MAR

O jangadeiro iça a vela
E põe sua jangada a rasgar o mar
Em noite auspiciosa
Iluminada por um raio de luar
Povoada de mobelhas noturnas
Arulhando madrigais
Que ajudam ao jangadeiro
O egresso suportar
Nas noites pretas
Sem lua, sem estrelas
E vento a uivar
Sem os abraços cálidos do amor
Que no cais ficou esperando
O jangadeiro voltar do mar
Com a jangada cheia de peixe
E o corpo com sede de amar.

( Inez Resende)

quarta-feira, 13 de novembro de 2013


Saudade

Meu coração partido
Chora de saudade
Do grande amor que vivi um dia
Sob um céu de estrelas pontilhado
Quando em seus braços eu me escondia
E , às vezes , adormecia
Feliz só por estar ao seu lado!
E tudo era bom
Era um sonho encantado
Tecido com as centelhas
Que a lua a terra mandava
Para bordar estrelas
Na rua por onde o poeta passava
Para dar –lhe o lirismo descomedido
Que o fazia extasiado
Contando em poesia
Aquele amor que eu vivia
E me fazia crer que era amada
Ah, como eu estava enganada!
Mal sabia eu
Que solidão em mim logo ia fazer morada
Tornando pretas minhas noites de centelhas
Sem lua cheia , sem estrelas
Sem o amor se fazendo
Em noites prateadas.

( Inez Resende)


sábado, 9 de novembro de 2013


Na II Bienal do Livro de Itabaiana, durante o lançamente do meu novo livro " Lembranças de um paraíso".


sexta-feira, 8 de novembro de 2013

"Lembranças de um paraíso", meu segundo livro, lançado na II Bienal do Livro de Itabaiana.


Com o imortal da Academia Sergipana de Letras, Domingos Pascoal, durante a II Bienal do Livro de Itabaiana onde lancei meu livro de contos " Lembranças de um paraíso".

quarta-feira, 25 de setembro de 2013



Cantiga triste

Cantiga triste
De um menestrel desencantado
Pelo amor que se foi
Deixando sua alma alquebrada
E a dor era tanta
Que foi apagando as centelhas
Que a lua espalhava pelas calçadas
Para pintar de purpúreo o crepúsculo
E de prateada, a alvorada
Numa aquarela de alegres cores
Inspirando o poeta
Que, num lirismo afoito
Ia tecendo versos apaixonados
Para cantar nas noites de boemia
Diante da janela de sua amada
Mas ela, coitada
Cansada de dividir o amor do menestrel
Com a lua prateada
Foi embora, perdeu-se na estrada
Deixando ao poeta a tristeza
E versos de uma poesia inacabada
Um vazio no peito
E uma saudade danada.


domingo, 22 de setembro de 2013




Quero estar contigo



Quero estar contigo
Onde as estrelas aladas moram
Num pôr do sol colorido
Ou , quem sabe, num barco a vela
Sobrevoado por gaivotas errantes
Em águas mansas, sem perigo de procela.

Quero estar contigo
Mas que seja sem pressa
Para que eu possa me deleitar com suas carícias
Debulhar segredos
Viver emoções sem reservas
Ouvir-te dizer
Que sem mim não sabe viver
Que só eu sei fazer
Sua vida ser mais bela!

terça-feira, 3 de setembro de 2013





Fica comigo

Fica comigo!
E aquece-me com seu coração quente
Bagunça minha vida
Faz-me viva novamente!

Fica comigo!
E me ama intensamente
Alimenta minhas fantasias
E faz-me explodir de contentamento!

Fica comigo!
Por mim, mostra  seu zelo
Quando fragilizada, abrace-me forte
Seja meu herói, cure meus medos!

Fica comigo!
E  estrelas  aladas roube para me dar de presente
Declare seu amor
Surpreenda-me completamente
O que não deu certo, apresse-se em apagar
Tente de novo... Recomece...Faça  tudo diferente!

Fica comigo!

domingo, 11 de agosto de 2013

Voa pensamento ...
 Vai até onde meus braços não alcançam
Vai bailando como silfos
Aquecer o coração de que amo tanto
 Dizer que tempestade é breve
E a felicidade virá como bonança
Voa, pensamento... Bólido carregado de lembranças
 Pássaro abraçado ao vento
Lutando para não ver morrer a esperança
 Voa, pensamento, voa... Voa firme por todo o firmamento
 Vai acendendo estrelas,
 E adornando tardes de sol poente
Matando a tristeza
E trazendo de volta a felicidade da gente.

quarta-feira, 8 de maio de 2013




Fez falta

De tua voz ainda ouço o eco
Dizendo coisas  de amor
Enchendo meus dias  de encanto
E a felicidade era tanta
Que nem mesmo na procela
Meus olhos conheciam o pranto
E tudo era tão bom 
Que quando acabou
Na lembrança ficou
Como um indissolúvel cobranto
E que falta fez!
E  a falta era tanta
Que  fez  morrer ,  aos poucos,   meus pirilampos
Apagou  minhas estrelas , antes tão brilhantes
E sucumbir belo jardim
Onde valsavam,  borboletas errantes.


sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Enquanto houver pôr do sol


Enquanto houver pôr  do sol
E a minha lembrança em teu coração morar
Contigo irei,
Aonde você me levar
E se algum dissabor
No  exílio nos lançar
Procure-me nas estrelas
Onde, certamente,  você há de me encontrar
Pois lá estarei te  esperando
No  céu que  pintei pra  te  alegrar
E, nos dias difíceis,
Se a  dor te fizer  carcomido e o mundo parecer desabar
Lembre-se
Estarei contigo no murmúrio da brisa que às manhãs vem orvalhar
 E te ensinarei a sorrir, mesmo quando a vontade for de chorar
Viajarei  contigo nas asas das  quimeras nascidas do nosso  idílio
Desenharei  sorrisos  e farei lágrima dolorosa  secar.

sábado, 7 de julho de 2012


 

















Saudade 

O pensamento em você me faz silente... 
Sinto saudades do teu abraço quente
Das promessas de amor
Dos beijos ardentes 
Do jeito de você me olhar
Com cara de menino carente
Do chamego gostoso vivido na intimidade da gente 
Das risadas à toa 
Das brincadeiras inocentes
Das músicas preferidas 
Que contam a história da gente
História de um amor que nunca morreu 
Porque nasceu para durar eternamente.

quarta-feira, 4 de julho de 2012







ENVELHECER 

No limiar dos nossos dias 
Quando os cabelos forem de algodão 
Quero ainda ser sua quimera, 
E pra sua poesia , inspiração. 

Quero noites enluaradas,
Estrelas prateadas , 
Nós dois apaixonados 
Trocando beijos no portão.

 Eu e você, letra de uma canção 
Retrato em aquarela
História de uma grande paixão 
Fonte inesgotável de ternura e emoção. 

( Inezinha Resende)