terça-feira, 12 de julho de 2011

Teu silêncio



Quando o teu silêncio doer muito
E isso destroçar meu coração
Vagarei por densas brumas
Levada por estrelas aladas rumo ao porto solidão.
De lá verei morrer meus colibris
E, de tristeza, minhas rosas derramarem pétalas pelo chão.
Chorando vou seguindo, abraçada ao meu destino
Mas acreditando que as lágrimas um dia cessarão.
Aí , esbofetearei a saudade e vestirei de alento meu coração.
Desprezarei o teu afeto, aprenderei a te dizer não.
Então saberás a falta que te faço
E , como fizestes comigo um dia,
quebrarei em mil pedaços o teu coração.

( Inezinha Resende)

7 comentários:

Pedro Leite Júnior disse...

Muito lindo Inezinha. parabáns. Um grande abraço

Pedro Leite Júnior disse...

Muito lindo Inezinha, parabéns, um grande abraço.

sougus disse...

Tem por aqui poemas bem tocantes e de fino "traço" msa este tucou-me especialmente. Parabens e um obrigado pela partilha.
Augusto Portugal

sougus disse...

Tem por aqui muito poema de fino traço, mas este "mexeu" comigo, especialmente.
Obrigado pela partilha.

Bons poemas.
Augusto
Portugal

Manuel Marcos Meydjorchris disse...

Acho muito linda a sua poesia, vc falando de silêncio e solidão es bem perfeita, espero que continue assim!

Inez Resende disse...

Agradeço aos amigos que deixaram aqui uma mensagem sobre as minhas poesias motivando-me a escrever sempre e com muito carinho para leitores tão sensíveis e especiais. Obrigada a todos.

Manuel Marcos Meydjorchris disse...

Que deus todo poderoso xteja sempre consigo, Em tudo que fizer na vda principalmente nas poesias xcritas por ti que São um sucesso! Es uma boa xcritora pode crer nisto!!!!!!!!